6 de junho de 2012

O que escondemos por trás de uma mentira, algum dia, revela-se (publicado em 10/06/2012, no jornal A Tarde, SSA/BA, caderno Populares, pag. 6).


Há um ditado popular que diz: mentiras têm pernas curtas. Podemos então associar as pernas curtas a duas afirmações seguintes: Primeira, o autor da mentira irrefletidamente deixa pistas que podem despertar a atenção de quem é vítima dela. Segunda, as pessoas comunicam-se sem perceber que o fazem.

De acordo com observações no âmbito da psicologia, quando ocorre uma mentira entre elementos ligados por laços íntimos, tais como membros de uma mesma família, um sujeito sempre sabe aquilo que escondem dele, apesar de ignorar que sabe, dizendo de outra forma, de não perceber que sabe. Justamente por isso, muitas vezes sente um mal-estar inexplicável e pode acontecer que, a um átimo de lhe contarem a verdade, ele se antecipe e a declare por inteiro ou em partes. Antes disso, porém, a verdade ignorada tentará manifestar-se através de sonhos ou devaneios, de atitudes excessivamente agressivas ou apáticas, de reações exageradas diante de questões corriqueiras, etc. São sinais de um saber que jaz nos escuros porões da mente. 

Um exemplo é o caso de pais que escondem do filho que ele é adotivo. Estão contribuindo para o surgimento de condutas semelhantes às manifestações referidas, geralmente provocadoras de conflitos familiares. Como a contradição entre o saber racional e o saber ignorado pela razão é a causa de tais problemas, nenhum aconselhamento, remédio ou terapia funciona enquanto durar a mentira. É crucial, portanto, que a verdade apareça, ainda que não de forma tão fantástica como a citada acima. 

A consequência imediata dessa maneira de funcionamento da mente é que podemos descobrir coisas em nosso íntimo, das quais não nos damos conta normalmente. Para fazer desta possibilidade um fato, basta atentarmos nos "sinais" externos e internos que se mostram a qualquer hora. O difícil é interpretar esta linguagem tão estranha à maioria de nós. No entanto, quanto mais aprendermos a fazê-lo, mais capazes seremos de gerir nossa vida de modo satisfatório. Logo vale a pena investir nisso.

Morgana Gazel

Nota: O romance Enseada do Segredo desenvolve-se em torno de uma mentira familiar. 

3 comentários:

Zanna Santos disse...

A mentira tem pernas curtas e a verdade vem a cavalo! Dizem que uma mentira contada mais de cem vezes torna-se verdade... Dizem! Muito bom seu texto. Obrigada.

Eliane Accioly disse...

Ficar atenta(s) para as mentiras escondidas na gente mesma, não é?
E a do filho adotivo...já vi este filme, no caso da mentira e no de poder contar ao filho a verddeira origem, qual a barriga de que veio.
A segunda alternativa dá certo. Ou costuma dar... Bjs

MARINA GENTILE disse...

A mentira quando descoberta choca, cria sensações negativas. Muitas pessoas omitem verdades, no decorrer do tempo para alimentar a omissão criam situações mentirosas.
Como bem dizem os mais antigos, é melhor uma verdade sofrida que uma mentira. Gostei muito do seu livro, aguardo o próximo.